sábado, 15 de março de 2014

13 técnicas para chutar no enem

Gostaria de compartilhar esta apostila. Achei interessante como o autor aborda as técnicas.
http://ler-quadrinhosonline.blogspot.com.br/2013/07/apostila-13-tecnicas-para-chutar-no-enem.html

Arte à disposição para baixar ou apreciar

O museu Rijksmuseum através do site https://www.rijksmuseum.nl/en  disponibilizou 155 mil imagens para apreciação e download. Pode-se ler os detalhes em http://www.revistabula.com/1851-155-mil-imagens-de-obras-de-arte-em-alta-resolucao-para-download-gratuito/ . Para os educadores da área de linguagem, esta é uma oportunidade única. O bom de termos contato com uma variedade de obras artísticas é fugir do padrão imposto pelos livros didáticos e até mesmo a falta de tempo ou recursos para conseguir ampliar as perspectivas quanto aos artistas trabalhados. E para os que admiram a arte por puro prazer, nada melhor do que se deleitar com Gogh, Rembrandt, Vermeer, Sten, Michelangelo entre outros.


domingo, 2 de fevereiro de 2014

Tipologia e Gêneros textuais

A arte da escrita tem ao longo do tempo dado espaço para uma escrita técnica e fundamentada na função do texto a ser desenvolvido. Sabe-se que houve um tom irônico, mas essencialmente não foi intencional. A verdade é que a qualidade da  escrita de um texto a cada dia que passa é essencial para a transmissão de um informação, independente do tipo ou gênero de texto que será construído. Tocando no assunto, o que é tipologia e gênero textual?
Produção Textual

TIPOLOGIA TEXTUAL

  São tipos de textos que determinam a maneira como o texto será escrito. Pode ser: Narração, Descrição ou Dissertação.

GÊNEROS TEXTUAIS

   São as estruturas que compõe os textos. Podem ser: 

Carta
Propaganda
Bula de remédio
Receita
Tutorial
Editorial
Notícia
Reportagem
Entrevista
História em quadrinhos
Charge
Poema
Poesia

Para saber mais http://portuguesxconcursos.blogspot.com.br/p/tipologia-textual-tipos-generos.html

GÊNEROS DO COTIDIANO

São usados no dia a dia e muitas vezes sem a atenção devida. Podem ser escritos formalmente ou informalmente dependo do destinatário, mas a boa aparência sempre qualifica a informação. Podem ser:

Carta

E-mail

Diário

Bilhete

Blog

Mensagem (SMS)

 Para a boa apresentação dos gêneros textuais é importante atentar para a estruturação de cada gênero:

1. Como fazer uma carta?

- Local e data

- vocativo

- texto

- A despedida

- assinatura

2. Como elaborar um e-mail?

- Vocativo

- Texto

- Despedida

- Assinatura

 3. Como elaborar um diário?

- Vocativo

- Texto

- Assinatura

 4. Como elaborar um blog (Onde criar um blog?)

www.blogger.com

http://br.wordpress.org/

http://blog.uol.com.br

http://blog.terra.com.br





sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Geração de 1945


Contexto

nFim da 2ª Guerra Mundial

n  Guerra fria

n  Cassação do Partido Comunista no Brasil

n Governo de Getúlio Vargas, Café Filho, Juscelino Kubitschek, João Goulart, Jânio Quadros

n  Golpe Militar de 1964



Características

Prosa


• A exploração do psicológico e dos conflitos entre o homem e a modernidade;
• A busca da universalização e de uma literatura engajada;
• O mergulho no realismo fantástico e no romance de reportagem;
• A crônica, o conto, a prosa autobiográfica e o teatro ganham força.

Poesia

• Rejeição da geração de 22
• Concretismo,
• A Poesia-Práxis,
• O Poema-Processo,
• O Poema-Social,
• A Poesia Marginal
• Os músicos-poeta.

Principais autores

  • Clarisse Lispector
  • Guimarães Rosa
  • João Cabral de Melo Neto
  • Ferreira Gullar
  • Haroldo de Campos
  • Augusto de Campos
  • Décio Pignatari

domingo, 8 de setembro de 2013

Segunda Geração Modernista – A ficção de 1930

Segunda Geração Modernista – A ficção de 1930

A prosa foi deixada de lado no primeiro momento modernista. Não de maneira proposital, mas intencional. Segundo Alfredo Bosi a prosa deste período é um marco para o romance brasileiro e não só quanto ao regionalismo.

Algumas obras tiveram destaque na primeira geração e merecem ser destacadas: Macunaíma de Mario de Andrade, Memórias sentimentais de João Miramar de Oswald de Andrade e Brás, Bexiga e Barra Funda de Antônio de Alcântara Machado. Nestas obras há uma nova maneira de ler e narrar o cotidiano fazendo com que as obras mergulhassem profundamente na realidade brasileira, havendo assim uma retomada do Realismo/naturalismo com uma visão crítica das relações sociais.

Há três principais características da prosa de 1930:
·        Prosa urbana
·        Prosa do regionalismo nordestino
·        Prosa intimista

Principais autores

·        Graciliano Ramos
·        José Lins do Rego
·        Rachel de Queiroz
·        Érico Veríssimo
·        Jorge Amado
·        Dyonélio Machado


quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Homônimos e Parônimos

Dentro da Semântica nos deparamos com alguns fenômenos que tornam a linguagem mais peculiar, tornando-se essencial para o discurso a contextualização, pois em diversos momentos a significação da palavra só é possível dentro de um contexto, mas nem sempre a escrita destas palavras está de acordo com a Gramática Normativa. Por isso é importante o estudo dos homônimos e parônimos.

Homônimos: são palavras iguais na forma e diferentes na significação.
Parônimos: São palavras de significação diferentes mas de forma parecida.

Os parônimos são os que comumente tem seu uso de forma equivocada, por isso eis uma lista dos principais:

Palavras parônimas: semelhanças gráficas e sonoras, porém com significados distintos.  

 

quarta-feira, 26 de junho de 2013

ILÍON - 3ª série A (Ensino Médio)

Esparthenas - 3ª série A (Ensino Médio)

Estrutura dos seminários do 2o trimestre de 2013

Temas para o 2o ano

  1. Joaquim Manuel de Macedo
  2. Manuel Antônio de Almeida
  3. José de Alencar
  4. Bernardo Guimarães
  5. Visconde de Taunay
  6. Aluísio Azevedo

Estrutura do seminário

  1. Biografia
  2. Contexto histórico do autor
  3. Influências filosóficas
  4. Características e estilo literário
  5. Apresentação e análise de obras ( dependendo do grupo uma ou duas obras)

Observações:

  • As obras para o 2o ano só podem ser: 
    • Fragmentos de livros
    • Um capítulo de um livro
    • Um conto
    • Uma crônica
  • As apresentações serão no power point, obedecendo aos seguintes critérios:
    • Utilizar desing que permita uma excelente apreciação do trabalho através do projetor de slides.
    • Utilizar fundo e fontes que possibilitem a leitura
    • Construir o texto do trabalho utilizado palavras-chaves, frases ou imagem para o bom encadeamento da apresentação
    • Não copiar e colar textos na apresentação
    • Usar imagens com moderação
    • Se for utilizado vídeo, este não deve substituir a fala
    • Cada membro do grupo terá de 3min a 5min
    • Cada grupo deve fazer 3 perguntas à turma após a apresentação      

Informações para construção do banner para festa junina 2013

Tema: Amazonas Caboclo


  • O texto para imagem deverá ter no máximo 5 linhas em word.
  • Resolução da imagem 300 dpi
  • Dimensão da imagem largura/altura no máximo 1024 pixels
  • Revisar o texto antes da entrega
  • Entrega 28/06

Exercícios de gramáticas - Regência Verbal

1. Faça a substituição dos termos destacados nas frases seguintes pelos pronomes
oblíquos atonos apropriados.
a) Não desejo incomodar (aqueles rapazes).
b) É preciso ajudar (as crianças de rua).
c) Você não deve prejudicar (os alunos).
d) Vamos enviar (estes pacotes de arroz) aos flagelados.
e) Vamos enviar estes pacotes de arroz (aos flagelados).
f) Ele gostaria de namorar (Sílvia).
g) Espero poder alegrar (os amigos).
h) Prezo muito (aquele escritor).
i) Por que você não obedece (a seus pais)?
j) A comissão não respondeu (aos inscritos no concurso).

2. Em cada item você encontrara uma frase típica da linguagem coloquial de várias
regiões do Brasil. Adapte cada uma dessas frases à regência verbal da língua culta.
a) Fique tranqüila, querida: eu lhe amo muito.
b) Desde que lhe vi, minha vida não é mais a mesma.
c) Não me simpatizo muito com essa tese.
d) O marginal urbano não obedece sinal vermelho.
e) Não pude responder o bilhete que você me mandou.
f) Que Deus lhe proteja!
g) Se Deus lhe amparar, tudo vai dar certo.
h) Ela ja parou de lhe amolar?
i) Faço questão de lhe abraçar.

3. Comente a regência verbal da frase seguinte:
Essa medidas consistem basicamente de novas regras para o sistema financeiro e de um
novo sistema de controle de entrada de divisas externas.

4. Substitua os termos destacados pelo pronome pessoal oblíquo átono apropriado.
a) Não deixe de pagar (as contas).
b) O banco não paga (aos empregados) desde maío.
c) Sempre se encontra um jeito de perdoar (aos empresários inadimplentes).
d) Não perdoarei (essa atitude grosseira).
e) Agradeço (todas as gentilezas).
f) Agradeço (aos colegas que aqui estiveram).

5. Observe a regência verbal empregada nas frases seguintes. Faça as alterações
necessárias para torná-las adequadas ao padrão culto da língua portuguesa.
a) Lembro sempre de você.
b) Nunca esqueci do que passamos juntos.
c) Ele se antipatizou comigo depois que lhe neguei apoio.
d) Prefiro mil vezes ficar aqui do que sair e enfrentar filas.
e) "Prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada
sobre tudo." (Raul Seixas)
f) Antes prefiro química à física.
g) Preferimos dormir que trabalhar.
h) Informo-lhe de que deve sair agora.
i) Informo-a que o empréstimo não será concedido.

6. Substitua as palavras destacadas pela forma apropriada do verbo entre parênteses.
Faça todas as modificações necessárias.
a) Nunca (sorvi) perfume tão agradável. (aspirar)
b) (Almejo) um futuro melhor para o povo do meu país. (aspirar)
c) Não é recomendável (acariciar) cães violentos. (agradar)
d) Ele fez tudo para (satisfazer) o inexorável sogro que Deus lhe deu. (agradar)
e) Os melhores médicos foram convocados para (cuidar) do paciente. (assistir)
f) Não deixo de (ver) os filmes de Giuseppe Tornatore, diretor do memorável Cinema
Paradiso. (assistir)
g) Esse é um direito que (pertence) a todos nós. (assistir)
h) Você deve (rubricar) todas as vias do contrato. (visar)
i) O plano do governador (tem como objetivo) o saneamento das finanças estaduais,
arruinadas pelo antecessor. (visar)
j) (Tenho grande afeição por) ela. (querer)
l) Sempre (cobicei) um exemplar da primeira edição da História do Brasil, de Murilo
Mendes. (querer)

7. Observe a regência verbal das frases seguintes e faça as modificações necessárias
para que se tornem adequadas ao padrão culto da língua portuguesa.
a) Ele custou para perceber o que estava acontecendo.
b) Custamos para enxergar o óbvio.
c) Custei para notar a encrenca que eu me meti.
d) Cidadania implica em direitos e deveres.
e) As atuais condições do sistema escolar público implicarão em maior evasão de alunos
a curto e médio prazo.
f) O juiz procedeu o exame dos documentos entregues pela testemunha.

8. Aponte as diferenças de sentido existentes entre as frases dos pares seguintes.
a) O estagiário disse que assistira a várias cirurgias enquanto estivera no hospital.
O estagiário disse que assistira várias cirurgias enquanto estivera no hospital.
b) Quero-a muito. Quero-lhe muito.
4. É preciso acrescentar uma preposição a cada uma das frases seguintes para que se
tornem adequadas ao padrão culto da língua portuguesa. Faça esse acréscimo.
a) Não se esqueça que ele deve colaborar com os colegas.
b) O filme que assisti ontem me deixou comovido.
c) É uma ótima professora, que todos querem muito.
d) O futuro que aspiramos ainda está um pouco longe.
e) Os princípios que ele se nega a obeceder são elementares para uma pessoa civilizada.
f) Federico Fellini, cujos filmes assisti sempre com prazer, dirigiu muitas vezes o genial
Marcello Mastroianni.
g) A estabilidade que se visa com as novas regras econômicas parece ainda
distante.

9. Forme frases organizando as palavras e expressões oferecidas em cada item.
a) Muitos brasileiros / não obedecer / sinalização de trânsito.
b) Sonhadores/ aspiram/mundo melhor.
c) Quem / nunca aspirar / perfume de uma rosa?
d) Tipos estranhos/assistir/filmes do Rambo.
e) Protestar/ direito / assistir / todo ser pensante.
f) Equipe médica/assistir/os doentes de AIDS.
g) Eu/preferir/futebol /vôlei.
h) Ninguém! simpatizar/pessoas pernósticas.
i) Sucesso / implicar / planejamento eficiente.
j) Medidas econômicas/visar/distribuição de renda.
l) Custar/ qualquer pessoa decente! conviver com tanta miséria.

10. Quando perguntaram ao escritor Latino Coelho o que a mulher representava para ele,
o mestre não teve dúvida. "- A mulher? Ora, quero-a e quero-lhe", respondeu. Explique
a resposta do escritor.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Exercício sobre verbo


QUESTÕES E TESTES DE VESTIBULARES
1(FUVEST-SP) "Ao trazer a discussão para o campo jurídico, o antigo magistrado
(tentou) amenizar o que (dissera); a rigor, no entanto, suscitou dúvidas cruéis: que quer
dizer 'por sua própria força'? (Será) a força física do posseiro, ou essa mais aquela que a
ela se soma pelo emprego de armas?"
Observando no texto as formas verbais destacadas, é correto concluir que:
a) tentou denota evento contemporâneo de dissera.
b) dissera situa o evento em ponto do tempo anterior a (tentou).
c) (será) indica evento imediatamente posterior a (tentou).
d) (soma) situa o evento referido no mesmo ponto do tempo indicado em (será).
e) (dissera) descreve o quadro em que ocorrem os eventos denotados pelas
demais formas.
2 (FUVEST-SP)
"() O antropólogo Claude Lévi-Strauss detestou a Baía de Guanabara .
Pareceu-lhe uma boca banguela.
E eu, menos a conhecera mais a amara?
Sou cego de tanto vê-la, de tanto tê-la estrela
O que é uma coisa bela?"
(Caetano Veloso, O estrangeiro.)
a) Na linguagem literária, muitas vezes, o mais-que-perfeito do indicativo substitui
outras formas verbais, como no verso: "E eu, menos a conhecera mais a amara?".
Reescreva-o, usando as formas que o mais-que-perfeito substituiu.
b) Tanto (sou) como (é) são formas de presente do indicativo. Apesar disso, a visão de
tempo que elas transmitem não é a mesma em uma e outra. Em que consiste essa
diferença?
3) (FUVEST-SP) "Por onde passava, ficava um fermento de desassossego, os homens
não reconheciam as suas mulheres, que subitamente se punham a olhar para eles, com
pena de que não tivessem desaparecido, para enfim poderem procurá-los. Mas esses
mesmos homens perguntavam, lá se foi, com uma inexplicável tristeza no coração, e se
lhes respondiam, Ainda anda por aí, tornavam a sair com a esperança de a encontrar
naquele bosque, na seara alta, banhando os pés no rio ou despindo-se atrás dum
canavial, tanto fazia, que do vulto só os olhos gozavam, entre a mão e o fruto há um
espigão de ferro, felizmente ninguém mais teve de morrer."
(José Saramago, Memorial do convento.)
Nesta narrativa, o emprego predominante do imperfeito do indicativo visa a:
a) destacar os elementos descritivos inseridos, trazendo-os para o primeiro plano.
b) apresentar a peregrinação de Blimunda como um fenômeno dinâmico e continuo.
c) desenhar como pano de fundo os traços de cenário em que decorre a ação.
d) marcar o tom dissertativo, em contraposição ao tom descritivo dos trechos em que
ocorre o perfeito.
e) levar a entender Blimunda como personagem consciente do decorrer do tempo.
4 (FUVEST-SP)
"Folha - De todos os ditados envolvendo o seu nome, qual o que mais lhe agrada?
Satã - O diabo ri por último.
Folha - Riu por último.
Satã - Se é por último, o verbo não pode vir no passado."
(O inimigo cósmico. Folha de S.Paulo, 3 set. 1995.)
Rejeitando a correção ao ditado, Satã mostra ter usado o presente do indicativo com o
mesmo valor que tem em:
a) Romário recebe a bola e chuta. Gooool!
b) D. Pedro, indignado, ergue a espada e dá o brado de independência.
c) Todo dia ela faz tudo sempre igual...
d) O quadrado da hipotenusa é igual à soma dos quadrados dos catetos.
e) Uma manhã destas, Jacinto, apareço no 202 para almoçar contigo.
5) (FUVEST-SP) Considerando a necessidade de correlação entre tempos e modos
verbais, assinale a alternativa em que ela foge às normas da língua escrita padrão.
a) A redação de um documento (exige) que a pessoa (conheça) uma fraseologia
complexa e arcaizante.
b) Para alguns professores, o ensino de língua portuguesa será sempre melhor, se
(houver) domínio das regras de sintaxe.
c) O ensino de Português (tornou-se) mais dinâmico depois que textos de autores
modernos (foram introduzidos) no currículo.
d) O ensino de Português já (sofrera) profundas modificações, quando se (organizou)
um Simpósio Nacional para discutir o assunto.
e) Não (fora) a coerção exercida pelos defensores do purismo lingüistico, todos
(teremos) liberdade de expressão.
6) (FUVEST-SP) "Eles pediram que a Petrobrás garanta que não haverá inquéritos
administrativos contra os grevistas." (Folha de S.Paulo, 3 jun. 1995.)
a) Redija a frase acima de duas maneiras diferentes, situando o pedido referido em duas
perspectivas diversas, conforme o início dado:
I. Eles haviam pedido que a Petrobrás...
II. Se eles tivessem pedido, a Petrobrás...
b) Cada nova frase irá permitir uma interpretação diferente, em relação à atitude dos que
pedem e à atitude da Petrobrás. Exponha as interpretações, indicando o mecanismo
gramatical que leva a cada uma delas.
7) (UNICAMP-SP) Publicadas à exata distância de um século pelo jornal O Estado de
S. Paulo, as duas notícias transcritas a seguir têm em comum o fato de se referirem a
catástrofes provocadas pelo mau tempo. No momento de sua publicação, as duas
notícias se referiam a acontecimentos recentes, mas os recursos gramaticais empregados
para expressar passado recente diferem de uma notícia para a outra.
29/11/1895: Constantinopla - Tem havido no Mar Negro grande tempestade,
naufragando grande número de embarcações. Até agora o mar tem arrojado à praia mais
de 80 cadáveres, que estão sendo recolhidos.
(Há um século. O Estado de S. Paulo.)
29/11/1995: Campinas- Um tornado com ventos de 180 quilômetros por hora destruiu
anteontem a cobertura do ginásio multidisciplinar da Universidade Estadual de
Campinas(...)
O Tornado rompeu presilhas de aço de uma polegada de espessura. Ele levantou e
retorceu a estrutura do telhado, também de aço, de 100 metros de extensão e 200
toneladas. (...) Dez árvores foram arrancadas com a raiz e os ventos arremessaram longe
vidros da Biblioteca Central.
(Tornado provoca destruição na Unicamp. O Estado de S. Paulo.)
a) Transcreva, das duas notícias, as expressões que situam os fatos relatados no passado.
b) Como seria redigida, hoje, a primeira notícia?
c) Redija uma continuação para uma notícia escrita hoje, que começasse por "Tem
havido no Mar Negro
8 (CEFET-PR) "Sê propícia para mim,
socorre quem te (adorara),
se adorar (pudera)."
(Alphonsus de Guimaraens)
As formas verbais acima destacadas correspondem a:
a) adorará, podia.
b) adorasse, puder.
c) adorava, poderá.
d) adoraria, pudesse.
e) adorar, puder.
9 (FUVEST-SP) "Se eu (convencesse) Madalena de que ela não tem razão... Se lhe
explicasse que (é) necessário vivermos em paz... Não me (entende). Não nos
entendemos. O que vai acontecer (será) muito diferente do que (esperamos)."
No trecho acima, a personagem reflete sobre fatos presentes. Se ela os colocasse no
passado, como ficariam os verbos destacados?
a) tivesse convencido - foi - entendeu - seria - esperaríamos
b) convencesse - seria - entendia - será - esperássemos
c) convencesse - era - entenderia - seria - esperávamos
d) convencia - era - entendia - seria - esperávamos
e) tivesse convencido - era - entendia - seria - esperávamos
10 (FUVEST-SP) "(Ficam) desde já excluídos os sonhadores, os que (amem) o mistério
e (procurem) justamente esta ocasião de comprar um bilhete na loteria da vida."
Se a primeira frase fosse volitiva, e o segundo e terceiro verbos destacados conotassem
ação no plano da realidade, teríamos, respectivamente, as seguintes formas verbais:
a) fiquem, amassem, procurassem.
b) ficavam, tenham amado, tenham procurado.
c) ficariam, amariam, procurariam.
d) fiquem, amam, procuram.
e) ficariam, tivessem amado, tivessem procurado.
11 (FUVEST-SP) "... e a flor de milho não será a mais linda."
a) Explique o valor do futuro do presente nessa frase. Reescreva-a substituindo a forma
verbal por uma expressão equivalente.
b) Lembre dois outros empregos do futuro do presente. Dê exemplos e esclareça o valor
de cada um deles.
12 (UFGO) No modo indicativo há três tempos simples que indicam passado: o
pretérito perfeito, o pretérito imperfeito e o pretérito mais-que-perfeito.
Redija uma frase para cada um desses tempos verbais do pretérito, explicando seu
emprego.
13 (UNIMEP-SP) Assinale a alternativa em que a oração destacada indica que um
fato é anterior a outro em relação ao momento em que o emissor fala.
a) Assim que tomar banho, (vou-me deitar).
b) Caso você o encontre, (dê-lhe minhas lembranças).
c) Quando cheguei, (todos já haviam saído).
d) Se você quiser, (irei ao seu escritório).
e) Enquanto trabalhava, (cantava).
14 (VUNESP) Alternativa cuja forma verbal destacada exprime futuridade com relação
ao tempo passado em que se situam as ações narradas:
a) "( ) contemplou o lugar onde tantas vezes se (aprestara) para os seus breves triunfos
no trapézio."
b) "a despedida iminente, só ele (sentia)."
c) "Em algum ponto do corpo ou da alma, doía-lhe (ver) o lugar do qual se
despedia ( )"
d) "No dia seguinte, (desarmariam) o Circo..."
e) "( ) os que lá se encontravam tinham respondido friamente à saudação dele,
como se (fizessem) um favor."
15 (UFMG) Em todas as alternativas, a lacuna pode ser preenchida com o verbo
indicado entre parênteses, no subjuntivo, exceto em:
a) Olhou para o cão, enquanto esperava que lhe ( ) a porta. (abrir)
b) Por que foi que aquela criatura não ( ) com franqueza? (proceder)
c) É preciso que uma pessoa se ( ) para encurtar a despesa. (trancar)
d) Deixa de luxo, minha filha, será o que Deus ( ) (querer)
e) Se isso me ( ) possível, procuraria a roupa. (ser)
16 (E. C. Chagas-SP) Mesmo que você lhe ( ) um acordo amigável, ele não ( )
a) proponha, aceitará
b) propor, aceitava
c) proporia, aceitaria
d) proporá, aceitará
e) propôs, aceitava
17 (FUEL-PR) Pode ser que eu ( ) levar as provas, se você ( ) tudo para que eu ( )
onde estão.
a) consiga, fará, descobriria
b) consiga, fizer, descubra
c) consigo, fizer, descobrir
d) consigo, fizer, descubro
e) consigo, fará, descobrirei
18 (CESGRAN RIO-RJ) Não há a devida correlação temporal das formas verbais em:
a) Seria conveniente que o leitor ficasse sem saber quem era Miss Dollar.
b) É conveniente que o leitor ficaria sem saber quem é Miss Dollar.
c) Era conveniente que o leitor ficasse sem saber quem foi Miss Dollar.
d) Será conveniente que o leitor fique sem saber quem é Miss Dollar.
e) Foi conveniente que o leitor ficasse sem saber quem era Miss Dollar.
19 (IMES-SP) Tempo verbal que expressa um fato anterior a outro acontecimento que
também é passado:
a) pretérito imperfeito do indicativo
b) pretérito imperfeito do subjuntivo
c) pretérito perfeito do indicativo
d) pretérito mais-que-perfeito do indicativo
e) futuro do pretérito do indicativo
20 (CESGRANRIO-RJ) Assinale a opção em que a forma verbal não tem valor
imperativo.
a) Lança teu grito ao vento da procela.
b) Bandeira - talvez rasgue-te a metralha.
c) Ergue-te ó luz! estrela para o povo.
d) Traze a bênção de Deus ao cativeiro.
e) Levanta a Deus do cativeiro o grito!

terça-feira, 4 de junho de 2013

Questões sobre prosa romântica

1 (UFP)
Em linhas gerais, o romance A Moreninha, de Joaquim Manoel de Macedo, é:
a) o relato de uma história de fidelidade ao amor de infância, na sociedade
brasileira do século passado.
b) a crônica de um caso amoroso ocorrido em fins do século XVII nas
imediações do Rio de Janeiro.
c) uma história baseada no problema da escravidão, na sociedade brasileira
do Segundo Império.
d) a história dramática de uma heroína às voltas com um amor impossível.
e) uma história que mostra a oposição Roça/Corte no século passado,
através de um episódio amoroso.

2 (UFP) Entre os períodos da História da Literatura Brasileira, aponte aquele que conteve, em germe, as propostas nacionalistas, quanto à temática e à língua, do Movimento Modernista de 1922:
a) Romantismo.
b) Parnasianismo.
c) Simbolismo.
d) Naturalismo.
e) Neo-Parnasianismo.

3 (FUVEST-SP) “Sua ambição literária era, contudo, imensa e pode ser aferida, não só por sua produção romanesca, como pelo projeto gigantesco que delineara de maneira bem significativa, na sua discutidíssima introdução ao romance Sonhos d’ouro. Está fora de dúvida que (o romancista) considerava sua obra como fator primacial da criação realmente orgânica de nossa literatura.” (Eugênio Gomes)
O romancista a que se refere o crítico é:
a) João Guimarães Rosa.
b) Machado de Assis.
c) Coelho Neto.
d) José de Alencar.
e) Jorge Amado.

4 (UF-MS) Avaliando-se a contribuição de José de Alencar para a literatura brasileira, pode-se afirmar que é extremamente significativa, porque o autor:
a) empenhou-se no projeto nacionalista de expressar esteticamente tempos
e espaços distintos da realidade.
b) foi quem primeiro utilizou a figura do índio em nossas letras.
c) se concentrou inteiramente na expressão da sociedade rural, analisando
com finura os hábitos burgueses.
d) se concentrou na produção de uma literatura dramática em que era
proeminente a figura do escravo.
e) superou o Romantismo de seus contemporâneos, lançando entre
nós um romance realista de universal.

5 (UF-RO) A obra de José Alencar expressa a tentativa romântica de proporcionar
um painel do Brasil do século XIX. Didaticamente, ela costuma ser dividida em quatro modalidades. Assinale a alternativa que expressa essas tendências básicas da prosa alencarina.
a) Romance urbano, romance histórico, romance regional e romance
indianista.
b) Romance engajado, romance político, romance rural e romance
histórico.
c) Romance histórico, romance urbano, romance engajado e romance
picaresco.
d) Romance picaresco, romance urbano, romance de costumes e romance
rural.
e) Romance rural, romance urbano, romance picaresco e romance
político.

6 CESCEM-SP) “A sua ficção abrange tanto,as regiões urbanas quanto as rurais; sem limitar-se à sua época, deu uma visão histórica, e às vezes mítica, de nossa formação como povo”.
Esse trecho descreve a obra de:
a) Graciliano Ramos.
b) José de Alencar.
c) Manuel Antonio de Almeida.
d) Guimarães Rosa.
e) Lima Barreto.

7 (UFRN) O Guarani e Iracema destacam-se dos romances românticos brasileiros porque José de Alencar, na tentativa de retomar ao passado, procura:
a) criar um ambiente medieval, cheio de mistérios.
b) na cidade, o lugar de refrigério, de tranqüilidade, onde o seu espírito
pode encontrar a paz.
c) novas situações que o conduzem às terras distantes, às paisagens
exóticas orientais.
d) mostrar o sofrimento do homem escravizado, nas terras baianas dos
senhores do cacau.
e) identificar-se com as origens da nacionalidade brasileira exaltando o
índio.

8 (FUVEST-SP) Sobre o romance indianista de José de Alencar, pode-se afirmar que:
a) analisa as reações psicológicas da personagem como um efeito das
influências sociais.
b) é um composto resultante de formas originais do conto.
c) dá forma ao herói amalgamando-o à vida da natureza.
d) representa contestação política ao domínio português.
e) mantém-se preso aos modelos legados pelos clássicos.

9 (UF-MG) Leia a afirmativa a seguir, em que José de Alencar critica a visão dos cronistas europeus sobre os indígenas. Os historiadores, cronistas e viajantes da primeira época, se não de todo o período colonial, devem ser lidos à luz de uma crítica severa. (...) Homens cultos, filhos de uma sociedade velha e curtida por longo trato de
séculos, queriam esses forasteiros achar nos indígenas de um mundo novo e segregado da civilização universal uma perfeita conformidade de idéias e costumes. Apesar de sua visão crItica, Alencar, em Iracema, adota a mesma atitude, quando
a) apresenta metaforicamente o índio como representante do homem
brasileiro.
b) atribui às personagens indígenas um comportamento baseado em
códigos europeus.
c) recupera, para a literatura, a memória da fauna, da flora e da toponímia
indígenas.
d) tenta ser fiel ao espírito da Iíngua índígena na composição das
imagens.

10 (CESCEM) Em uma de suas obras mais importantes, José de Alencar apresenta uma visão Iírica da miscigenação no Brasil. A propósito desse romance, o Autor afirma: “Quem não pode ilustrar a terra natal, canta as suas lendas, sem metro, na rude toada de seus antigos filhos.” A obra em questão é:
a) Diva.
b) Senhora.
c) O Gaúcho.
d) Cinco Minutos.
e) Iracema.

11 (UF-SC) Marque a(s) proposição(ões) que se refere(m) à obra Iracema de José de Alencar.
01. O sentimento que Peri nutre por Cecília é sempre mostrado como
adoração.
02. A fala de Seixas é totalmente baseada em leis, lucros, dever e haver,
desenvolvendo o tema deixado por Aurélia da primeira vez, quando
o acusou de ser um homem vendido.
04. O romance desenvolve a lenda da fundação do Ceará, a história
dos amores de uma índia com um branco, e do ódio entre as tribos
tabajara e potiguara.
08. A personagem principal é claramente identificada com a natureza
local: “virgem dos lábios de mel”; “cabelos mais negros que a asa
da graúna e mais longos que o talhe da palmeira”; “mais rápida que
a ema selvagem”.
16. A poesia indianista é como antevisão Iírica e épica das nossas origens,
revigorando as intenções nacionalistas do Romantismo.
Soma

12 (FUVEST-SP) “O primeiro cearense, ainda no berço, emigrava da terra da pátria. Havia aí a pré-destinação de uma raça?”
Eis aí uma reflexão sob a forma de pergunta que o autor, ............., faz a
si mesmo – com toda propriedade, e por motivos que podemos interpretar
como pessoais –, ao finalizar o romance .......... .
Assinale a alternativa que completa os espaços.
a) José Lins do Rego – Menino de Engenho.
b) José de Alencar – Iracema.
c) Graciliano Ramos – São Bernardo.
d) Aluísio Azevedo – O Mulato.
e) Graciliano Ramos – Vidas Secas.

13 (Mackenzie-SP) Assinale a alternativa que não se aplica ao romance Iracema, de José de Alencar.
a) Iracema, virgem tabajara, apaixona-se por Martim, jovem cavaleiro
português.
b) Do amor da índia com Martim, nasce Moacir, o primeiro cearense.
c) O livro tem correspondentes históricos, pois é inspirado na história
dos primeiros colonizadores portugueses.
d) A jovem heroína é defendida por Peri, um índio goitacá.
e) Iracema morre, segundo os preceitos anunciados pelas divindades
indígenas.

14 (UF-PI) Em O Guarani, de José de Alencar, a ação ocorre no período da
a) transferência da família real para o Brasil.
b) dominação do Brasil pela Espanha.
c) invasão do Brasil pelos franceses.
d) divisão do Brasil em capitanias hereditárias.
e) Inconfidência Mineira.

15 (UFG)
“... um índio na flor da idade. Uma simples túnica de algodão, a que os indígenas chamavam aimará, apertada à cintura por uma faixa de penas escarlates, caía-lhe dos ombros até o meio da perna, e desenhava o talhe delgado e esbelto como um junco selvagem. Sobre a alvura diáfana do algodão, a sua pele, cor de cobre, brilhava com reflexos dourados; os cabelos pretos cortados rentes, a tez lisa, os olhos grandes com os cantos exteriores erguidos para a fronte; a pupila negra, móbil, cintilante; a boca forte, mas bem modelada e guarnecida de dentes alvos, dava ao rosto um pouco oval a beleza inculta da graça, da força e da inteligência.”
(José de Alencar, O Guarani)
Esse trecho pertence a um dos mais conhecidos romances brasileiros
da época do Romantismo. Pode-se afirmar que:
01 – O Guarani está de acordo com a doutrina, então corrente, do “bom
selvagem”, proposta por Rousseau, que dizia ser o homem primitivo
essencialmente bom. Sua corrupção, quando ocorria, devia-se
à sociedade.
02 – Na descrição acima, o autor retrata o índio Ubirajara, protagonista
do romance.
04 – A escolha do vocabulário, em especial dos adjetivos, assim como
as metáforas utilizadas, denunciam claramente o objetivo de
idealização do índio por parte do autor.
08 – Percebe-se uma afinidade muito grande entre Alencar e Gonçalves
Dias na forma como abordaram a questão do índio brasileiro em
seus textos literários. Um confronto entre O Guarani e I-Juca Pirama
comprova isso.
16 – Alencar não se restringiu a escrever romances indianistas, tendo
produzido também textos com temática urbana, regionalista e histórica.
Soma

16 (OSEC) Quais destes romances de Alencar são urbanos:
a) Til e O Sertanejo.
b) Senhora e Diva.
c) Senhora e Iracema.
d) Iracema e Lucíola.

17 (FUVEST) Texto para as questões A e B.
“Era o cavaleiro moço de vinte e dois anos quando muito, alto, de talhe delgado, mas robusto. Tinha a face tostada pelo sol e sombreada por um buço negro e já espesso. Cobria-lhe a fronte larga um chapéu desabado de baeta preta. O rosto comprido, o nariz adunco, os olhos vivos e cintilantes davam à sua fisionomia a expressão brusca e alerta das aves de altaneria. Essa alma devia ter o arrojo e a velocidade do vôo do gavião.” (José de Alencar, O Gaúcho)
A. 1) A que grupo das obras de Alencar pertence O Gaúcho?
2) Cite dois outros grupos de romances do mesmo autor.
B. 1) Quanto ao tipo de composição, como se pode classificar o texto
transcrito?
2) Que recurso lingüístico mais caracteriza esse tipo de composição?

18 (Santa Casa-SP) Analisando as várias linhas de seu projeto de escritor, José de Alencar vincula-se às grandes fases da vida brasileira. Assim, sua ficção abrange:

I – as lendas e mitos da terra selvagem e conquistada.
II – o romance histórico, ambientado no período colonial.
III – uma literatura de cor local, regionalista, capaz de apanhar “tradições,
costumes e linguagens” do nosso povo.
Prendem-se a essas três linhas, respectivamente, seus romances:
a) As Minas de Prata, Senhora e Iracema.
b) Senhora, O Gaúcho e A Viuvinha.
c) Iracema, O Guarani e O Gaúcho.
d) O Guarani, Iracema e Senhora.
e) A Viuvinha, O Gaúcho e As Minas de Prata.

19 (UF-SE)
A imagem da mulher triparte-se na mulher-pureza, que enobrece com o seu amor sincero; na mulher-sedução, que se torna corruptora; e naquela que, envilecida, pode ser redimida pelo amor. Esse tratamento dado à figura feminina pode ser encontrado em
a) O Cortiço, de Aluísio Azevedo.
b) romances de José de Alencar.
c) Dom Casmurro, de Machado de Assis.
d) romances de Lima Barreto.
e) O Ateneu, de Raul Pompéia.

20 (CESCEM) Obedecendo embora a uma visão do mundo e a uma estrutura romântica, certo romance de José de Alencar releva, no tratamento do tema, inquietações de caráter sociológico, que, mais tarde, figurariam entre as preocupações realistas: é o problema da degenerescência emocional em face do lucro. A obra em questão é:
a) Diva.
b) Senhora.
c) Cinco Minutos.
d) A Viuvinha.

e) Iracema.